Páginas

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Deficiência e BDSM


Sempre existiu esse tabu de que a deficiente não faz sexo.Mas é pura mentira, tem muito deficientes fazendo muito sexo ,outros impedidos devido ao preconceito dentro de suas famílias,lamentável...Pois dia desses encontrei uma matéria que falava de uma deficiente Dominadora,que resolveu mostrar a cara e falar desse tabu da deficiência e do universo BDSM ,Que também é visto com muito preconceito na nossa sociedade!Vou postar um texto que foi traduzido pelo chrome,então pode ter algumas palavra estranhas.Mas vou colocar a fonte também,que achar melhor é só ir no site.
Maria 51 anos,sofre desde os 16 de artrite reumatoide,que tem afetado cada articulação dos eu corpo,não a impedindo de ter uma vida normal e ser praticante do BDSM.
Ela anda com ajuda de muletas a 20 anos.


Iniciado na cena há uma década, depois de 20 anos com um homem que não a satisfazia sexualmente."Eu vim a pensar que eu era lésbica ou frígida", ele diz-me através do Skype. Um dia, ele conheceu um homem através de um bate-papo, um jornalista chamado José, que ele ajudou a descobrir sua verdadeira sexualidade. Maria não é dominatrix profissional, sem custos .. Nem exerce-se 24 horas por dia, apenas quando em sessão, quando você tem reuniões com sua BDSM submissa. Então torna-se Ama Sekmet. Ele escolheu este nome em memória da deusa egípcia .
Como em outras áreas da vida, deficiência às vezes age como um freio no exercício BDSM ...devido à percepção dos outros . Sekhmet é agora reconhecido como Domina mas no passado você disse que não é bom ou eles usariam suas muletas como dildos até dano (para colocá-lo suavemente). Houve também um soldado com quem conversou por um tempo, mas quando você tomar a mergulhar e encontrar cara a cara, ele se recusou, ele argumentou que ele não tinha enganado a conversa de sua deficiência. Dois anos depois, eles se encontraram e os militares reconheceram que a deficiência era uma desculpa, com muito medo.
Sekhmet diz que insultos não afetá-lo, para evitar confrontos e surpresas escreveu uma nota em seu perfil de uma rede social especializada:
"Em primeiro lugar dizer que eu sou deficiente, sim, enquanto você lê. Se este horroriza você, para o bem dos dois (especialmente a minha) não precisa manter a leitura. 'S dominação poder é exercido com a mente, não força bruta. "
Mas a deficiência não é um obstáculo, quando em sessão. Se você precisar de ajuda, o 
Sekhmet e 2 submisso
submisso dá-lhe que "é um submisso em todos os momentos para atender a uma dominatrix. Se eu soltar um chicote, o submisso deve pegar. "Quando você vê os liberais locais sempre alguém para ajudá-lo. "Não, eu nunca cortado em ajuda. Eu não vou pobrecica ... Não está. Mas se a ajuda que eu realmente não precisa hesite em pe
rguntar. "
 . 's necessário conhecer as pessoas com deficiência, tanto de baunilha (aqueles que têm o sexo como de costume) como bedesemeros vieram a mim para me dizer que eu sou um monstro, que Eu calibrado e deve ir a um profissional. A verdadeira deficiência é mental. "
Sekhmet não é a única retrona praticar BDSM. Conheça um submisso surdo a um dominante que usa uma cadeira de rodas, um submisso cego ... Entrei em contato com Douce_sumisa, uma faculdade indo 21 em uma cadeira de rodas. Por privacidade, não quer dar seu nome real  Seu amor não permite que você para exibir qualquer imagem dele, embora ele não foi reconhecido.
Também para Skype, Douce_sumisa me diz que sofre de uma doença genética que afeta o sistema nervoso. Não anda desde a adolescência e tem pouca força nas mãos. Pouco mais de um ano atrás, descoberto através de romances eróticos BDSM e queria saber mais. Ela diz que tem muita personalidade e na sua vida diária não ésubmisso.
Sejmet y su máscara

Ele conheceu o seu amor através de sua conta corrente normal Twitter. Foi instantânea: "Seus tweets foram muito interessantes e sensata. Neste sabedoria é fundamental. Era misterioso. Eu me considero uma mulher muito inteligente considerar e eu aprecio isso em um homem, muito, e quais as suas respostas foram ". Eles começaram a falar todos os dias. Douce_sumisa não considerou necessário verificar a sua deficiência: "Como não me impede de ser construído, eu não estou dizendo que não. Eu não disse isso, não porque eu estava com medo. " Na época, antes de ficar cara a cara, foi anunciado. Ele reagiu bem. "O que eu gosto nele é que você não tem isso em mente em tudo."Douce_sumisa não pode andar, mas tem mobilidade. Sessões realizado na cama, no sofá, no chão. Dirijo-me à relação entre sua sexualidade e sua deficiência e, finalmente, perguntou: "Será que a sua deficiência afeta algo em seu relacionamento com o seu amor?". A resposta vem rápida: "Não".
http://entrega-bds.blogspot.com.es/
fonte http://www.eldiario.es/retrones/BDSM-Discapacidad-tabu-tabues_6_217738261.html

6 comentários:

O Erotico e Profano disse...

Ola tudo bem?

Eu gostaria de pedir um favor a você

Meu outro blog foi excluido pelo google a um tempo atras ja, e alguem copiou o nome descaradamente

Eu criei um novo, porém seu link ainda esta como o antigo

Erotico e Profano ( www.eroticoeprofano.blogspot.com)

Poderia por favor excluir este link da sua lista de blogs e adicionar meu novo?
www.oeroticoeprofano.blogspot.com

Muda só a letra "o", mas poderia por favor fazer isso? essa pessoa esta ganhando visitas pra um blog que só tem spam

Obrigado!

Vida sobre a Mesa disse...

Aldrey, obrigada pelo convite!

Oser humano tem este costume de julgar, de julgar tudo o que não está dentro de um padrão de normas, seja o que for, mas a dominadora, assim como alguns indivíduos ímpares que costumam fazer a diferença no mundo, fez a diferença. Assim como voce está divulgando-a agora. Realmente percebo o que voce disse, tem gente saindo do armário e não são apenas os deficientes (que são eficientes em coisas diferentes), mas no que se refere a BDSM, tem muita gente, de todos os nichos saindo do armário. Sei que cada história é uma história, mas poder e ter coragem de assumir o que a gente é dá uma sensação de conforto e liberdade ímpar. Parabéns pelo post!

Dorei F.

► JOTA ENE ◄ disse...

Sim, também conheço alguém supostamente deficiente e com uma sexualidade muito boa.

Bom post amiga.

Beijos!

SenhoraLúcifer disse...

Sou da opinião que primeiro nos excitamos pela mente e depois vem o corpo. Se a pessoa é deficiente, ela pode ter desejos, necessidades físicas como qualquer pessoa e se realizar.
Recomendo que assistam o filme "As sessões" aonde trata de sexo, religião e deficiência física.
Somos mais que corpos, somos mente, coração e alma.
O prazer está aonde nos libertamos de nossas amarras.

Beijos querido, se cuida.

Sophysticada disse...

Kerida,

Por essas e por outras q não posso ficar muito tempo sem vim aki...
É isso ai sensualidade esta em todos,

Bjooooo


Amei d+!

Leninha Lopez disse...

Realmente amiga, a sexualidade é para todos e qualquer pessoa tem o direito de usufrui-la. Ser deficiente não é de maneira nenhuma impedimento para se ter uma vida sexualmente ativa. A fantasia é um terreno livre e como tal, disponível para ser satisfeita, muito além de qualquer preconceito, mas infelizmente ele existe e está aí para ser provado a quem o tem, que tudo é justamente ao contrário.
BJOS
Lena