Páginas

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

DRAGON AGE--o videogame de RPG também tem personagens gays e lésbicas, cenas de sexo homossexual e BDSM

O mundo dos videogames são conhecidos por suas tramas muitas vezes machistas e sexistas. Mas há jogos que fazem o que todos deveriam fazer: colocar à disposição dos gamers um leque de opções de identidade de gênero e afetivas nas tramas de seus personagens. O mais recente (e provavelmente melhor) exemplo disso é Dragon Age: Inquisition. O jogo, produzido pelo estúdio BioWare, chegou às prateleiras internacionais no dia 18 de novembro e, ao contrário do que muitos esperariam, toda a diversidade existente em sua trama não está afastando o público.
Provavelmente o maior exemplo do esforço pela pluralidade que a Bioware faz no jogo é o primeiro personagem trans da série Dragon Age, Cremisius Acclasi, ou apenas Krem. Krem é um homem trans (nasceu com sexo biológico feminino, mas se identifica como homem) e segundo em comando no grupo de mercenários Bull’s Chargers. O jogo faz questão de frisar que ele é um homem como todos os outros:se, durante uma conversa com o líder dos mercenários, Iron Bull, o jogador cometer a gafe de chamar Krem de mulher, será corrigido: “Ele não é mulher… Krem é um homem, e dos bons.”
O próprio Iron Bull é descrito como pansexual. Não importa se o personagem que o jogador criou é homem ou mulher, é possível fazer sexo com ele. Segundo consta, a cena de sexo gay (caso o personagem do jogador seja homem) é uma das melhores já criadas nos videogames(confira você mesmo no final do post). Caso opte-se por manter o relacionamento, há opções de se adicionar fetiches à relação, com Iron Bull explicando conceitos como palavras de segurança para o jogador. Há também um personagem exclusivamente gay, o mago Dorian, e Sera, uma lutadora que só se interessa por mulheres.krem

No mundo real, no entanto, nem tudo corre sem percalços. A produtora do jogo, a Electronic Arts, decidiu não lançá-lo na Índia para evitar que se infringisse leis locais. “A decisão se deveu a leis contra obscenidade no país, não especificamente aos romances homoafetivos”, declarou um representante da empresa. No entanto, o distribuidor indiano do título, Milestone Interactive, deu a entender que as tramas gays seriam, sim, o problema
Há outros exemplos de como o jogo é amigável com o espectro da sexualidade. Durante a criação dos personagens, é possível criar uma personagem feminina com pomo de Adão ou com barba, ou personagens masculinos que usam maquiagem. Alegria dos jogadores queers, e educação para os não-queers. Infelizmente essa ainda é uma exceção no mundo dos games, mas o sucesso de Dragon Age: Inquisition, vamos torcer, há de aumentar a diversidade de gênero e sexual também entre os jogos.
Já está disponivel no Brasil desed dia 4 de dezembro!
http://www.ladobi.com/2014/11/dragon-age-inquisition/
fonte

2 comentários:

Nome Sobrenome disse...

por favor, eu quero muito saber o nome da música que toca?

Snayker Hazuki disse...

Gostei do seu Blog e como um bom gamer te falo que os jogos estão a evoluir cada vez mais, não só em gráficos e interatividade, mas também em um mundo mais aberto com mais opções de criar seu personagem como no caso de um RPG de peso como Dragon Age.
Não joguei o mesmo ainda,mas esta na minha lista e não me espanta os criadores terem acrescentado personagens com personalidades adversas como na vida real, pois afinal de contas um bom RPG tem que mostrar de tudo o mais perto da realidade e deixar o enredo cada vez melhor ou seja realista, seja medieval, real ou futurista.

Parabéns pelo post! ;)