Páginas

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Quem foi MARQUES DE SADE?

Sempre ouvi muito falar em Marques de Sade,e sabia que era ligado ao sadismo,daí resolvi ler sobre ele.Ele (1740-1814)foi um aristocrata francês, capitão da cavalaria e escritor marcado pela pornografia violenta e pelo desprezo dos valores religiosos e morais.De seu nome saiu o termo médico sadismo,que define a perversão sexual,de ter prazer na dor física ou moral do parceiro ou dos parceiros.Sua primeiro caso de sadismo,foi torturar prazeirosamente uma jovem,o que levou ele a ser preso.Enquanto estava preso ,escrevia suas obras.Sade foi considerado um pioneiro da revolução sexual,com idéias libertárias e permissivas,e um dos primeiros a ter uma visão moderna sobre o homossexualismo,pois defendia a existência de  diferentes condições sexuais da humanidade.Ele morreu em um Hospício aos 74 anos.
As suas obras ainda hoje são consideradas escandalosas.E o interessante que tem um grupo de teatro que produziu algumas peças dele.Estive lendo que em Curitiba a peça escrita por ele ,perdeu muitos espectadores,logo nos primeiros minutos de apresentação(A filosofia na Alcova).Antes da apresentação as pessoas são avisadas que contém cenas muito forte,que pode causar um certo mal estar.

"O teatro que o Grupo ocupa na praça Roosevelt é bem escuro e depois dos avisos a peça começa de sopetão. Um homem surge com uma lanterna no meio do escuro e começa a dizer seu texto. Ele aponta a lanterna para seu rosto e essa é a única luz que se tem em cena, depois que diz seu texto direciona a lanterna para outros cantos e o público vai desvendando cenas já fortes. Tem um homem que se masturba, tem outro que mostra o ânus e coisas desse tipo.

No desenrolar da peça essas coisas se repetem. A cena mais forte sem dúvida é no momento em que um dos atores urina em um cálice e o outro deixa o líquido cair em sua boca e esparrama por todo seu corpo. Na platéia as reações de nojo e risadas nervosas são comuns. Eu em muitos momentos me peguei desviando o olhar ou até mesmo rindo de situações não engraçadas. 
Rodrigo García Vásquez questiona conceitos sociais muito importantes com essas cenas e com essa forma escatológica de mostrar Sade. Na verdade ele apenas reproduz com fidelidade aquilo que Sade escrevia e não é gratuitamente. Num dos momentos que mais me agrada, um dos personagens diz um texto a respeito das hipocrisias dos seres humanos, de como muita gente faz diversas daquelas coisas, mas que socialmente adotam posturas contrárias, de como o ser humano até hoje se torna melhor ao matar outros seres humanos, de como os valores estão inversos. 
A peça é baseada em fatos de uma sociedade de 1700, mas parece extremamente contemporânea. As questões que Sade discutia ainda estão em pauta, ainda criam divergências, ainda chocam. Assistir A Filosofia na Alcova é uma forma corajosa de repensar pequenas atitudes diárias, de questionar se nossas atitudes são genuínas ou geradas pela sociedade em que vivemos. Um soco de realidade. "
Obras do autor:
E tem uma companhia de teatro que está fazendo peças do Marques de Sade

8 comentários:

Vanessa disse...

Muito legal conhecer essa historia, que pra mim foi novidade, achei muito interessante. Bjsss Vana

Afrodite disse...

Achei bacana tb esse seu post!
Tem muita gente que desconhece as obras do Marques de Sade.
Beijo!

*Mi§§ §impatia* disse...

Muito legal esse teu post, não sabia isso tudo sobre ele, obrigada por compartilhar as informações com a gente.
Beijos.

Swingers Veronika e Cláudio disse...

Eu, prefencialmente, tenho um pé no Marquês de Sade, mas seria bem interessante vc falar sobre Masoch, assim completaria a dualidade SM...que tal?
Bjs, linda!!!

aldrey disse...

Obrigada pela dica...bjs

ACM disse...

Acho que todas as pessoas que pareciam viver antes de seu tempo, terminaram por existir muito além do tempo, ao qual, deveriam pertencer.
O Marquês de Sade é um exemplo disso.
Nem tanto por sua obra, até certo ponto contestadora, inclusive nos dias atuais, mas muito por ser um visionário e apostar em coisas que estavam restritas entre paredes, praticadas por pessoas anônimas, as mesmas que o condenaram.
Muita boa iniciativa.
É sempre bom ver um espaço tão intressante abordando temas abrangentes.
Parabéns!
ACM :)

Luis Nantes® disse...

Legal e importante saber dessa bela história, viu? Isso é informação, né? Mas como tenho um humor avançado, devo deixar aqui registrado que esse Marquês não é aquela ali na imagem, né? Rsss..
beijos minha linda...

Pink disse...

Já conhecia um pouco a história, mas o interessante é notar que toda a pessoa que pensa um pouco além do óbvio é imediatamente classificada como louca, apenas por nós não entendermos o que ela está dizendo, tanto que ele morreu num hospício...

Adorei o post.

Beijos querida.